* * Bem Vindos * *

27 dezembro 2010

Selo de reconhecimento


"O Prêmio Dardos é o reconhecimento dos ideais que cada blogueiro emprega ao transmitir valores culturais, éticos, literários, pessoais, etc... que em suma, demonstram sua criatividade através do pensamento vivo que está e permanece intacto entre suas letras, e suas palavras. Estes selos foram criados com a intenção de promover a confraternização entre os blogueiros, uma forma de demonstrar o carinho e reconhecimento por um trabalho que agregue valor à Web."

Semana passada descobri que meu humilde e iniciante blog ganhou um selo de reconhecimento indicado pelo blog Eventos de Biologia. Eu agradeço.

Bom, deveria repassar esse selo para outros 10 blogs. Como ainda estou começando, vou ficar devendo, por enquanto.

17 dezembro 2010

Ornitorrinco e seu veneno

Ontem eu li uma matéria no site da Sciam Brasil, falando sobre um estudo que foi feito sobre o veneno do ornitorrinco.

Foi descoberto mais de 80 toxinas diferentes no veneno produzido pelos machos em época reprodutiva, para ser usado provavelmente como mecanismo de defesa contra outros machos.

O estudo foi feito através de transcrições de RNA mensageiro seqüenciadas (biologia molecular pura!) da glândula de veneno do animal. Os pesquisadores identificaram 83 genes em 13 famílias diferentes de toxinas, ligada a efeitos como inflamação, danos nos nervos, contração muscular e coagulação sanguínea. Por exemplo: os ornitorrincos produzem 26 tipos diferentes de enzimas, também encontradas no veneno da maioria das serpentes, e outros genes do veneno se assemelham a uma neurotoxina produzida por aranhas. Ainda estão sendo feitos testes para descobrir outros componentes e para saber o que cada componente do veneno pode causar.

Foi relatado também um caso em que o animal inoculou veneno em um homem e que segundo ele, a dor era muito forte a ponto de ter alucinações e, mesmo após quatro meses, seu dedo ainda doía e nem a morfina aliviava a dor.

Fonte: Scientific American Brasil


Um pouco mais sobre o ornitorrinco (Ornithorhynchus anatinus)

Eles descendem de uma linhagem de mamíferos que há mais de 150 milhões de anos se desvinculou das demais e permaneceu com algumas das características dos répteis ancestrais dos primeiros mamíferos e, devido à grande capacidade adaptativa, vivem até os dias de hoje. Pertencem à ordem Monotremata.


Estudos sobre seu genoma, apontam que esse animal é uma mistura de pássaro, réptil e mamífero por apresentar características desses grupos.



Com bico córneo, que lembra o do pato, e cauda achatada, o ornitorrinco é encontrado junto aos cursos de água do continente australiano e da ilha da Tasmânia. Adapta-se à vida aquática e terrestre, tem o hábito de cavar túneis em barrancos de rios e se alimenta principalmente de invertebrados aquáticos. Os adultos não tem dentes.

O ornitorrinco nada com olhos, ouvidos e narinas fechados, guiando-se graças a receptores sensoriais em seu bico para detectar os campos elétricos emitidos por suas presas.

Seu tamanho varia de 45 a 50 cm, incluindo a cauda de 15 cm, em forma de remo, que ajuda o animal a nadar.

Entre outras particularidades, a fêmea possui glândulas mamárias sem mamilos e não tem útero, nem vagina. A fêmea poe de um a três ovos por gestação (entre 12 e 20 dias), com cerca de 2 cm. A incubação dura cerca de 10 dias. Quando os ovos se abrem, a fêmea usa a cauda para manter os filhotes junto ao seu corpo e, então, amamentá-los. Os filhotes nascem com cerca de 2,5 cm, não têm pêlos e lambem o leite secretado pelas glândulas espalhadas no abdome. Permanecem no ninho durante vários meses.

Bebê ornitorrinco

O macho possui um esporão semelhante ao do galo no calcanhar, que é ligado a uma glândula de veneno.

Esporao na pata

16 dezembro 2010

Besouro bombardeiro

Esses dias, vendo o documentário da BBC (Life) que o Fantástico está exibindo, vi um besourinho bem interessante: o besouro bombardeiro.

Ele pertence à família Carabidae, mede mais ou menos 1 cm e vive no sul e centro da Europa, norte da África e Sibéria. Sendo um animal carnívoro, gosta de comer outros insetos. O nome besouro bombardeiro veio da observação onde perceberam um tipo de barulho semelhante à um “estouro” de tiro.



Ele tem um mecanismo de defesa interessante. Esse cara quando se sente ameaçado dispara um líquido produzido em glândulas em seu abdomen. É liberado pelo ânus. Uma espécia africana (Stenaptinus insignis) consegue direcionar o jato.

Esse spray é uma combinaçao de compostos químicos - hidroquinona e peróxido de hidrogênio (água oxigenada) - que o próprio bichinho produz e que ao reagirem, libera oxigênio, quinonas e água numa reação muito rápida que faz a água ferver e oxigênio se expandir, liberando a mistura fervente e irritante.
Além de quente, é fedido.




Os danos causados por esses besouros podem ser fatais para o ataque de insetos e é doloroso para a pele humana.

Segue um vídeo para ver como ele se defende.



13 setembro 2010

E quem disse que só as borboletas sao coloridas e lindas?

Tá bem...eu assumo que algumas dão um certo nervosinho, mas temos que concordar que possuem um colorido lindo. A maioria delas são larvas de mariposas.




Tetrio (Pseudosphinx tetrio) é encontrada no Brasil, México e Texas. É da familia Sphingidae.



Red-footed-wuzzy fuzzy parece que ainda nao foi classificada cientificamente. É encontrada na Costa Rica. Nao consegui encontrar maiores detalhes e nem sua forma adulta. Parece uma pantufinha né? huahauhaa



A Lagarta Spurge hawk(Hyles euphorbiae) é européia e pertence a familia Shingidae. É usada como agente de controle biológico de uma certa plantinha.




Saddleback (Acharia stimulea) é encontrada na América do Norte e pertence a família Limacodidae.



Lagarta Stinging Rose (Parasa indetermina) pertence a família Limacodidae. Também é americana.



A Cecropia (Hyalophora cecropia)é considerada a maior mariposa americana. Pertence a família Saturniidae. A fêmea pode atingir 130 mm. As larvas sao encontradas nas folhas de Bordo (planta símbolo do Canadá).



Datana major pertecence a familia Notodontidae. É a praga das azaleas. ë encontrada também aqui no Brasil.



Hickory horned devils (Citheronia regalis) é uma mariposa norte americana da familia Saturniidae. Atinge de 9.5 a 15,5cm.


Old World Swallowtail (Papilio machaon) é uma borboleta da família Papilionidae. Encontrada na Europa, Ásia e também na América do Norte.



Lagarta da Monarca (Danaus plexippus). É a borboleta mais conhecida da América do Norte. Também é encontrada na Nova Zelandia e Europa. Pertence a familia Nymphalidae.

Vale lembrar que as mais perigosas, são as que se transformam em mariposas. As venenosas têm cerdas no corpo, parecidas com pequenos pelinhos, cheias de glândulas de veneno. Essa substância é utilizada como defesa natural contra os predadores. No homem causam grande irritação. As que viram borboletas são, em geral, inofensivas.




11 setembro 2010

A lula e seu superpênis

Cientistas britânicos revelaram pela primeira vez detalhes da vida reprodutiva de lulas que vivem no fundo do mar depois da descoberta de uma lula macho com um pênis ereto quase do tamanho do corpo do animal.
Segundo um artigo publicado na revista especializada Journal of Molluscan Studies, os cientistas descobriram que o órgão injeta pequenos “pacotes” de espermatozoides no corpo da fêmea.
O biólogo marinho e especialista em peixes de águas profundas Alexander Arkhipikin, do departamento de pesca do governo das Ilhas Malvinas, disse que o animal foi capturado durante um cruzeiro de pesquisa.
“A lula adulta foi recolhida durante um cruzeiro de pesquisa em uma área da Patagônia. Tiramos o animal da rede, ele estava moribundo, com braços e tentáculos ainda se movendo, e cromatóforos na pele se contraindo e expandindo”, disse ele à BBC.
“Quando abrimos o manto da lula para avaliar sua idade, testemunhamos um fato incomum.”
“O pênis da lula, que havia se estendido apenas um pouco além da margem do manto, de repente se tornou ereto e se alongou rapidamente até um total de 67 centímetros, quase o mesmo tamanho do animal.”
A agitação sexual do molusco pegou os cientistas de surpresa, mas sua ocorrência ajudou a resolver o mistério de como as lulas se reproduzem no fundo do mar.


Reprodução

Os biólogos possuem mais conhecimento sobre como os cefalópodes de águas rasas se reproduzem - o grupo inclui polvos, alguns tipos de lula e a sépia.
A parte mais característica do corpo dos cefalópodes é a estrutura fechada parecida com um capuz chamada de manto, que forma a maior parte do que parece ser o corpo e a cabeça dos animais.
Eles usam o manto para se mover por um mecanismo de propulsão e precisam ventilá-lo para respirar. O manto ainda protege e esconde seu sistema de excreção e os órgãos sexuais.
Sua forma física, no entanto, representa um desafio para os cefalópodes machos: como transportar o sêmen para fora do manto e como mante-lo dentro da cavidade das fêmeas, tendo em vista a movimentação de água dentro do manto para que elas possam se mover e respirar?
Os cefalópodes de água rasa desenvolveram um braço especial para fazer o serviço. Eles têm pênis curtos, que produzem os “pacotes” de espermatozoides – chamados espermatóforos – e um de seus oito braços é modificado para transferi-lo para o receptáculo especial da fêmea.
Esses receptáculos normalmente são localizados na pele, ou na cavidade interna da fêmea.



Fotos:


Onykia ingens



Pênis em posição de "descanso"



Pênis ereto (a estrutura tubular branca na parte de baixo da foto)




Fonte: site da BBC Brasil

17 março 2010

Blobfish

É o peixe mais feio das profundezas oceânicas(e resta alguma dúvida disso?). É encontrado na costa da Autrália a aproximadamente 800 metros de profundidade e por isso não é comum encontramos com um nadando por ai (ufa!). Seu nome científico é Psychrolutes marcidus e pode chegar a 30 cm de comprimento. O corpo é gelatinoso e apresenta capacidade de flutuar sobre o chão.

Mesmo não sendo lá muito atrativo, esse cara ai está ameaçado de extinção por ser vulnerável e pego por redes de arrastão durante a pesca de outros animais.





15 março 2010

Você sabe o que é caviar?

Essa comida de luxo (e ruim), nada mais é do que ovas não fertilizadas de um dos animais mais antigos do globo, o esturjão.
Esse peixe jurássico, pode chegar até 100 anos, atingir cerca de 6 metros de comprimento e pesar 1000 kg.
O beluga, que produz as maiores e mais valiosas ovas, já foi ameaçado de extinção,devido à caça predatória.

A maior parte da produção mundial do peixe, vem do Mar Cáspio. As 3 mais famosas são o beluga (
Huso huso), o osetra (Acipenser gueldenstaedtii colchicus) e o sevruga (Acipenser stellatus
). Vivem no mar e usam os rios para reprodução. O esturjão siberiano é um peixe de água doce, explorado atualmente em cativeiro.

Para se extrair as ovas é preciso esperar a maturidade sexual delas. É um trabalho demorado porque elas demoram 20 anos para começar a produzir. A retirada deve ser feita com a fêmea ainda viva já que após a morte, é liberada uma toxina. Hoje em dia, com a criação desses animais em cativeiro, está sendo usado técnicas cirúrgicas para a retirada, permitindo conitinuação da produção.

A coloração das ovas é uma questão de pigmentação genética. As mais claras são as mais raras e caras.


Segue abaixo algumas fotos que encontrei por ai.